sábado, 2 de julho de 2011

Altas emoções!

O emocional é algo a ser considerado em qualquer atividade que os seres humanos desempenhem. É até engraçado, afinal, são “animais racionais”, que deveriam usar a razão acima de tudo, e são afetados de uma maneira muito forte pelas emoções.

Um exemplo disso foi a partida entre Argentina e Bolívia, pela abertura da Copa América de Futebol. Recebendo a competição pela primeira vez, desde 1987, os hermanos, favoritíssimos diante dos adversários, saíram atrás no placar, sofrendo um gol do brasileiro (naturalizado boliviano) Edvaldo. Depois de muita “pressão”, conseguiram empatar com o atacante Agüero, genro de Maradona e jogador do Atlético de Madrid. Mas, como se explica esse resultado?

Em termos técnicos, a Argentina é superior a Bolívia. Porém o que se viu foi uma pressão muito grande dos torcedores presentes no Estádio Ciudad de La Plata, influenciando a atuação dos jogadores argentinos. Messi, o camisa 10 do Barcelona, considerado o melhor do mundo, simplesmente sumiu. O que se viu em campo foram 11 jogadores vestindo uma camisa pesada, não por suas tradições vitoriosas no futebol sul-americano. O que se viu foi um peso indesejado, causado pela ausência de títulos de real expressão (O último foi a própria Copa América, mas de 1993).

Jogando em casa, diante de um adversário considerado fraco, com o melhor jogador do mundo e, de repente, toma um gol. Não é a toa que a Seleção Argentina sofreu tanto para empatar. Aí que entrou o emocional, a favor da Bolívia e contra os hermanos.

A emoção é algo completamente subjetivo, ou seja, que varia de pessoa para pessoa. A euforia, após um resultado positivo, pode ser seguida de uma frustração muito grande, após o não reconhecimento dos outros sobre o sucesso anterior. A intensidade de um sofrimento, do medo, da coragem, é algo que não pode ser medido, aliás, nem deve.

Segundo adaptações de obras da psicologia, as emoções são reações a acontecimentos, surgindo subitamente e com duração breve. Despertam em situações novas, insólitas, inesperadas. As emoções manifestam-se acompanhadas de reações fisiológicas, por exemplo, após uma sensação de alívio, a respiração do individuo fica mais leve, mais lenta, mais tranquila.

“A palavra emoção traduz, em geral, à mente uma das seis emoções ditas primárias ou universais: alegria, tristeza, medo, cólera, surpresa ou aversão. (…)”, uma citação de Antonio Damasio, neurologista português que aborda as emoções do ser humano.

Algo a ser ressaltado sobre esse tema é a maneira que o homem pode se aproveitar das emoções. Quando algo de positivo acontece com ele, a adrenalina sobe, a confiança aumenta, e assim ele pode aproveitar para fazer seu rendimento crescer ainda mais. Isso bem que poderia ser dito para os jogadores da Seleção Brasileira, após marcarem o primeiro gol sobre a Venezuela na estréia da Copa América.




2 comentários:

Antonio Siqueira disse...

A adrenalina pesada causada por este tipo de pressão é um forte catalisador para a coragem e a raça para se decidir uma partida ou choque que pode se transformar em fobia e assim entrega-la definitivamente ao adversário, como você bem abordou brilhantemente, Luiz Felipe. Esse texto está soberbo como todos que escreves. Só que, convenhamos, este time da Argentina é ruim mesmo. O Messi desenvolveu a tal fobia do choque. Essa defesa é ruim e velha, eles não renovam o setor defensivo, o Teves é muito bom, mas encrespado demais. Veron se aposentou...sobra pro Messi.

E essa pressão é antiga. Desde que esse jovem fenômeno vestiu a camisa argentina, esta lhe caiu como uma maldição. Foram diversos os jogos em que Messi fez nada ou quase nada e o pior, nunca era substituído. Alguns brasileiros cracaços de bola em clubes, renderam nada na seleção canarinho. Não vou citar exemplos, pois merecem respeito pelo que fizeram e ainda fazem pelo futebol e por terem a minha admiração. Não vi o jogo pq o vídeo travou, mas imagino que tenha sido cansativo para os olhos de quem assistiu (assistimos) Barcelona 3 X 1 Manchester há algumas semanas.

De mais a mais esse time da Argentina é ruim e o Messi tem mesmo é medo de jogar pela seleção de seu país e enfrentar a sua torcida compatriota. Pudera, aquela gente louca! :-o

Muito legal isso aqui...Futebol é o canal!

2 de julho de 2011 03:08
Celso Lins disse...

Viram os jogos? Que pobreza?
Creio que seja o cansaço talvez, pois esses arletas vêm de temporadas longas, mas que o nível está abaixo do esperado, ah isto está.

5 de julho de 2011 02:52

Postar um comentário